Subscribe:

quinta-feira, dezembro 29, 2011

BLOG-RETROSPECTIVA 2011


Eu ainda não sei avaliar 2011, muito menos resumir o q foram todos esses meses.
Então esse post será um resumão em 12 parágrafos (mal contados).

Janeiro comecei bastante anestesiada devido ao cansaço que deu enfrentar Engraçadão trabalhando na madruga, eu ficando sozinha com os 3, para evitar que os meninos de férias, ficassem jogados na casa de parentes. Todas as vezes que eu tinha de pedir, mesmo que para os meus pais ficar com eles, dava uma dó... Dona Engraçada fazia de coração, mas achava q esse coração devia ser recompensado; Seu Engraçado não espera por compensação, no entanto, meu coração ficava apertadinho de saudade do meu Pacotinho, já que lá ele sempre ficava um tempo maior. E para piorar, os dois irmãos ficavam separados. Isso me doía muito. Tinha dias que eu caía em prantos, porque o coração doía até pelo fato de Engraçadão estar morto de cansado e por nossos encontros relâmpago se resumirem aos finais de semana.
Esse foi o mês em que me fiz promessas de voltar para a academia e trá-lá-lá, mas claro, quando comecei a sonhar com isso, ainda não tinha começado a pagar a mesma escola para os dois, ou seja... me afoguei na melancia.
 
E aí veio Fevereiro com o prenúncio de calmaria. Engraçadão voltaria a sua programação normal, os moleques estreariam na mesma escola e Miúda no morro seguia sua vidinha normal.
Eu estranhava a mudança de chefe no trabalho, quando meu Hugo Boss resolveu ir embora e a equipe além de ter aumentado, as pessoas pareciam querer despejar parte de sua ira acumulada sobre mim. Não que eu tivesse feito por merecer, mas estavam todos estressados, irados, desunidos... nem parecia o mesmo lugar. Se eu tenho uma parcela de culpa? Devia ter também, porque passava por uma re-adaptação desse novo quadro.
Eu, para variar, não fujo ao bom combate, de maneira que protagonizei alguns barracos homéricos a fim de me impôr porque naquela época, achava q estava fazendo o certo. Isso foi muito importante para o meu crescimento. Aprendi a observar mais, aprendi a fazer o truque do desaparecimento e ainda pude aprender, que nem todo mundo que arrotava ser meu amigo, ficava verdadeiramente do meu lado quando o bicho pegava. Primeira grande lição do ano! Me sentia reativamente só, na minha batalha diária, sem vontade de trabalhar, sem vontade de enfrentar... foi foda.
Minhas crianças é que me reenergizaram e me ajudaram muito nesse período e Engraçadão fechou o mês me presenteando por bom comportamento. \o/

Então chegou o carnaval e tudo se redime nessa época do ano. Gastei o que não tinha, comprei fantasias, fui para clubes com as crianças, pulei feito criança também, namorei, vi os desfiles com um olho só... paguei o preço. Eu sempre tenho que me enrolar em alguma época do ano. =/ E o carnaval deu frutos negativos no meu saldo. Fiz questão de contribuir para deixar o rombo um pouquinho maior, porque todo mundo sabe q a prioridade aqui é meu cabelo. Março, teve festinha da Tia Paty no salão do meu prédio, o que incentivou Engraçadão a comemorar seu aniversário de 40 anos com Dona Miúda que fazia 1, mas isso já é em outro mês.
Eu ainda fui fugida ao cinema ver o premiado Discurso do Rei, cumprindo uma promessa que tinha feito a mim mesma em segredo e aluguei outros montes de DVD. Mas a grande decepção do mês, foi o show do 30 Seconds to Mars que arrota uma coisa nos clipes e lá fora inclusive, mas em termos de postura no palco Sr. Jared Letto pensa que é o rei da cocada preta. Humildade ali chegou, caiu e quebrou!


Em Abril fiquei quieta e só postei uma vez. Claro, o mês corria bem, estava bonito mesmo, quase calmo só que sem um tico de emoção. Então Pacotinho resolve pegar catapora que era pra fechar o mês com um cadinho de algo mais! Eita família...

Em cima do aniversário de Engraçadão e Miúda que é justo em Maio. A essa altura, as crianças todas já estavam contaminadas pela catapora. O famoso "andaço". Porque se no asfalto a criançada estava pegando em massa, no morro, sem meu conhecimento, antes mesmo do asfalto, a molecada já andava toda infestada. Miuda resistiu bravamente enquanto pôde, mas não do convívio dos irmãos.
Esse também foi o mês em que os sonhos se realizaram! Além do aniversário da Miúda dia 11, foi o dia em que saímos do aperto. Subimos a Grajaú-Jacarepaguá de Uno 92 (pela última vez) e descemos de Scénic. Ai quanta diferença. A merda, 6 meses depois, é que já o batizei com vários arranhões e eu peço à Deus e a Engraçadão que me perdoem por isso. Um dia a gente faz essa bendita lanternagem. Teve a festa dos dois, que significou pra mim um dos dias mais estressantes do ano, já que eu, mesmo tendo me prometido a não fazer nada, organizei a festa em quase 100%. O resultado é que eu fiquei com olhos esbugalhados, inchada quase q todo o tempo e irritada pois o clima virou e a Miúda sentiu na pele a mudança. Mas valeu. Valeu mais ainda porque outra dessa não terá! Em 2012 será a vez do Sr. Cabeça de Bolinha, quando ele fará 5 anos e tudo será diferente.
Fechei Maio assistindo a Piratas do Caribe 4 3D, com Pacotinho roncando ao meu lado na sessão da meia noite. Ufa!


Junho, metade do ano, primeiros indícios de que o que parecia uma sólida amizade entre eu e uma certa frequentadora da minha vida estava degringolando. Bom, já que não nos seguimos mais, não nos visitamos mais e já que fui chamada de palhaça assim, num de seus blogs ocultos, não tem porquê eu ficar aqui fingindo que não foi pra ela. Relendo, vejo que eu sempre fui discretíssima evitei expô-la, mas na vida, a recíproca nunca é verdadeira. Fato é, q eu já estava ficando de saco cheio; até que uma prima distante resolve dar um perdido na mãe e quase vai parar na televisão num daqueles programas trash, devido à mobilizações no twitter, facebook e orkut. Felizmente ela apareceu intacta. A surra q ela merecia ainda não dei. Também nem tenho contato, ou seja... Junho também foi importante porque desentalei algumas coisas, muito embora elas não tenham servido para muita coisa, mas desentalei em família e no final do mês, separei o joio do trigo nos links do blog. Tendo o povo gostado ou não, eu fiz o q me deu na telha pra variar. Mi casa es mi casa!

Julho-> Férias (10 dias)-> São Paulo-> Comprei-> Iphone-> quebrado-> dor-de-cabeça -> até-> hoje!
Fiz a burra para não ter que dar ré na ladeira enquanto a puliça subia; Teve a primeira luta de Pacotinho no Judo, onde ele ganhou uma e perdeu duas; constatei certas verdades advindas de pessoas que me cercam e dei certos feedbacks: Para aqueles que só gostam de falar, mas se recusam a ouvir. Deu resultado! Eeeeee! E vi Cisne Negro. Comecei com a terapia e ao que tudo indica, ela não vai longe, infelizmente. Hallou? Eu faço pelo prano, lembram?!
Explodi com a caretice que me cercava no mundo corporativo, coloquei alguns em seus lugares em tempos de mudança de prédio, recheada de sarcasmo e ombro amigo. Sim, sou falsa e tem gente que merece pra ooontem descer do pedestal (e pra quem foi, um sem número concorda comigo!).
Para brindar o dia do amigo, xinguei todos eles! =B Não os reais, claro, mas a comemoração da data; chorei com o prenúncio de término da Mais Vídeo e é triste ver q a loja hoje, está 90% vazia.
 
Em Agosto, minha mana foi pra Londres e nos brindou com posts direto da cidade que eu mais tenho vontade de conhecer, ever! Teve a morte anunciada e concreta de Amy Winehouse - uma lástima; fiz receita no blog e deixei meus queridos 5's leitores babando. Mais terapia e quase-porrada com maluco na rua. Essa foi hilária.
Sr. Cabeça de Bolinha, nosso leião de plantão mostrou a todos como não se comportar e eu fotografando tudo. Mãe sádica - Darth Vader de plantão com uma câmera sempre à mão! Mas ele melhorou demais e ver sua evolução esquenta minha alma.
Foi um mês particularmente reflexivo, o mês que eu mais postei durante o ano; foram 15 posts e eu via uma série de coisas ao meu redor conforme fazia análise e daí, soltei a língua. Foi importante. Infelizmente também foi o mês de morte do Vicente do Empório de Ipanema. 


Setembro foi o mês dos shows. Show dos Djangos, Rock 'n Rio 4 que eu não fui, show de DR cas amiga (depois não digam q eu não avisei! #PiadaInterna). Setembro foi sobretudo um mês cansativo. Minha irmã mandou mais relatos de Londres; eu vacilei e pedi desculpas a Engraçadão pelo meu esgotamento físico e mental; Teve o dia loucarino que a mãe do amigo de Pacotinho apareceu lá em casa na hora do rango (mesmo sem ter rangado ou sido convidada) e nós mais tarde fomos num aniversário em dia errado.
Teve o resultado do meu processo, aquele q eu ganhei mas ainda não levei. Mais post desabafo por ver uma amizade escorrendo pelo ralo... e o fechamento com a cartinha à Dona Miúda, a que manda no meu coração.


Então veio o mês de aniversário de Pacotinho - Outubro e toda a família saiu pra Búzios numa das viagens mais maneiras que fizemos. Só porque foi divertida e linda ao mesmo tempo. Voltamos de alma lavada! Precisávamos disso para enfrentar o que viria: Pacotinho com virose, Pacotinho indo sozinho para a escola sob meu monitoramento via celular; amizade chegando no fundo do poço e meus sinais de cansaço - tá tudo registrado aqui...; Piolho, piolho e mais piolho; livros lidos e re-lidos (resenhas) e Lagoa Rodrigo de Freitas com direito a video e CD de brinde! Foi também o mês da Festa Modinha que eu NÃO postei aqui, mas que seria ótimo se o timming não tivesse passado.


Novembro - Mês do meu aniversário teve meu aniversário, dãããã! Resenhas musicias, coisa q eu a-mo fazer, mas q meus queridos 5's leitores ca-gam pra ler. =/
Meu cabelo retocado e dicas de alisamento para mulheres que como eu, travam uma verdadeira batalha com o cabelo. Não foi muito positiva a escova que eu fiz, aliás. Em menos de 1 mês o cabelo dava sinais de revolta. O ideal é intercalar a cara com a mais barata mesmo.

Enfim, chegamos ao fim do ano. Mês de conclusões e decisões. É Dezembro.
Pacotinho troca de faixa no Judo, é bem suscedido nas duas lutas e é sagrado campeão em sua categora, além disso, passa de ano no 3º bimestre e ganha o presente dos seus sonhos no Natal, com um vídeo tão emocionante, que as redes sociais em peso choram; O Sr. Cabeça de Bolinha não ficou atrás. Se saiu bem na Natação mesmo não sendo tão competitivo quanto o irmão - o que é algo positivo - ficando em primeiro lugar em 2 das 2 únicas provas sem boia; Já a Dona Miuda aprendeu a falar várias frases, canta e dança várias músicas em diversos idiomas - incluindo o Miudez -, pede ixenxa (licença), diz Iiii dá! (me dá), oscila entre muito carinhosa e muito pirracenta, se revela uma verdadeira mini-mulherzinha de tão vaidosa que é e definitivamente, é a pessoa que mais manda lá em casa. Deixa ela comigo!
Engraçadão continua cansado, porém de pau duro! É... tem coisas q não mudam.

E eu, bem... eu decidi respirar e priorizar as coisas leves. Minha analista está me fazendo enxergar isso por demais. Preciso de leveza! Minha vida é deveras árdua. Por isso me afastei do que não estava me fazendo feliz, nem me dando prazer.
É, a gente busca prazer nas coisas e nos desafios porque até alguns deles são prazerosos. Quando se trata de pessoas, a gente não pode simplesmente interferir na história pessoal de cada um. Às vezes, nos cabe acompanhar vestido com a capa da invisibilidade e eu ando vestida com ela de segunda a sexta. Estou feliz assim, me sinto leve, me sinto feliz. Voltei a ser una. Isso é verdadeiramente muito importante pra mim, porque tem certas amizades que funcionam melhor à distância, ou não são maduras o suficiente para enfrentar uma rotina diária. Foi chato esse episódio. Chato vc ver pessoas que vc tanto ajudou, cantando pelos 4 cantos What Goes Around Comes Around que venha em triplo - aguardo!, te chamando de palhaço no blog (ok eu tenho meu lado ruim assumido, principalmente qdo a incompetência alheia é latente) só porque tem memória curta e não se lembra das imensas, cansativas, numerosas e estafantes conversas ao longo do ano sobre amizade, postura e inúmeras outras coisas. Isso não é engraçado nem é legal, vc ver q foi amigo, q abriu as portas da sua casa para alguém tão ingrato. Ainda sim, eu não espero nada além de crescimento e evolução para essa grande amiga, que para seu próprio bem, botei no banquinho do castigo atrás da geladeira - Má costuma dizer que sou excelente educadora, será?
Um dia, ela vai amadurecer pelo amor ou pela dor, sua memória há de aflorar e ela vai lembrar de todas as conversas dedo-retais q tivemos, do dia do banho de coca-cola e avisos q eu dei. E eu espero q finalmente ela assuma q é o seu jeito que afasta as pessoas. Afasta inclusive, aquelas q ela chama de amor e desenha coraçãozinho nas redes sociais. Acontece, que a única q não foi falsa e teve colhão para dizer claramente fui eu ao longo de todo 2011. Um dia eu ia cansar. #Fato!

Barracos vem, histórias vão, vida que segue.
O ano de 2011 foi legal sim.
Eu fui capaz de aprender tanto e vi tanta coisa que levei uns 38 anos pra entender... eu só espero que o mundo não se acabe em 2012, porque só agora estou começando a entender como as coisas funcionam.
Feliz ano novo para todos os meus inúmeros e queridos 5's leitores!

segunda-feira, dezembro 26, 2011

E NESSE NATAL - PARTE II


Quem tem filho vai entender.
A gente se sacrifica e morre por dentro toda vez q tem q dizer não quando ele te pede algo desde fevereiro e vc é obrigado a negar, porque é simplesmente inviável.

A saga do nintendo DS vinha se arrastando desde o início do ano e Pacotinho q já sabe pedir, vinha aprendendo a tirar seu cavalinho da chuva desde então. Nintendo DS é caro. É um videogame portátil que além de jogar com cartucho, dá pra jogar via wireless 'cos amigo da escola.

Ele é do integral, então nas horas vagas, a molecada se reune, cada qual com o seu e se diverte a valer. Ele? Pedia emprestado e entrava no final da fila, já q era o único ou dos únicos q não tinha um.

Minha consciência e a de Engraçadão nem ardiam tanto, já q ele ganhou um PlayStation há 2 anos, de maneira que a gente deixava pra lá... mas dava pena quando eu via todos os amigos dele desfilando com o seu, ou ainda quando íamos em algum lugar e esbarrávamos com alguma criança q tinha e víamos ele babando literalmente. Doía, mas não matava.

Esse assunto estava mesmo resolvido, até que Pacotinho passou de ano no 3º bimestre. Ok, nevermind!
Aí ele se superou em matemática. Da média 7.5, fechou o ano com 9.0. O.o Sinal vermelho ligado. Never-fucking-mind!
Então ele foi campeão no judo em sua categoria. Iiiiih! Agora fodeu!

Então na última competição de natação do Sr. Cabeça de Bolinha, a diretora da escola conversando com outra mãe, contava q sua filha tinha trazido um dos EUA e queria apenas 500Dilmas pra vender. Ainda vinha com um cartucho de jogo, coisa q não vende em lugar nenhum. É sempre tudo separado.

Então eu resolvi perguntar a vó de Pacotinho, ao vô de Pacotinho, à tia de Pacotinho e ao Pai de Pacotinho se eles topavam fazer uma vaquinha e eles toparam!! Então, entrei com um plano maquiavélico para o dia da entrega. 
Fooorma de Mamma Darth Vader, ativar!

Compramos uma caixinha de presente, uma sunga de praia e descolamos um saco de presente da Taco. Pacotinho já havia se decidido por outro jogo - o Twister da Estrela, no entanto não fazia ideia do que ia ganhar. 
Por outro lado, aluguei o Tigre de Muleta para garantir a entrega do jogo com mais alguns games na memória. 

O resultado vcs conferem aqui. Preparem o lençol!

Estão nesse vídeo: Dona Engraçada, lady Metal, Miss Moura, Engraçadão, Sr. Kbça de Bolinha, D. Miúda, Ivia Marcela, Fátima Conceição e a Tia Avó, minha gostosa.

Ninguém me viu chorando, essa é a vantagem de estar filmando. Desculpem as tremidas e que meus queridos 5's leitores tenham tido um ótimo Natal!

E NESSE NATAL? Parte I

Hello strangers!
A programação da casa anda meio parada, eu sei.
São as festas de fim-de-ano, é assim mesmo... festa da empresa, festa dos amigos, amigo oculto, Natal e presentes para comprar, embrulhar, peru para assar, fora a ceia, que esse ano não fui eu quem fez, ainda sim, não se faz um peru com o pé nas costas.

De maneira que eu volto.
Pretendo mostrar a vcs o vídeo da entrega do presente do Pacotinho que foi o ponto alto da festa.
Além da choradeira que vos deixarão com a pulga atrás da orelha, se isso era um Natal ou velório. Brincadeira =B.

Não larguei o osso não! Nem hei de largar!
Eu tenho plena convicção do porquê escrevo. Não faço tipo quando estou aqui, sou eu mesma. As pessoas não precisam concordar comigo, para que eu continue escrevendo. Podem vir quando quiser que serão sempre bem-vindos, mesmo que para ser do contra.

Claro né? A gente sempre apedreja quem emite uma opinião contrária mas é só por zoação. É divertido.
O blog para mim, assim como o twitter e essas tranqueiras sociais, me ajudam a caminhar sem que eu me perca de mim mesma. Pode parecer exagero, mas botar pra fora meus pensamentos, mesmo que numa caixa de vidro, me ajuda mais que atrapalha.

Então eu posso até tardar, mas falhar... não falho!


quarta-feira, dezembro 21, 2011

QUANDO UM FILHO ADOECE, COMO VC SE SENTE?



Primeiro vc torce para não ser nada sério. Repete mentalmente que tudo vai dar certo, é só um resfriadinho, é porque ele anda descalço, é porque só quer saber de recheados, ou porque não gosta de tomar o suco de laranja q eu faço.
Depois vc se dá conta que seu filho come de tudo. Ele é magrelo daquele jeito por causa da nossa genética e sempre esbanjou saúde.
Ok, que descobrimos que ele é alérgico a poeira e ácaro. Cuidamos.

Só que na 5ªf passada, o magrelo também conhecido como Pacotinho, vomitou o Nescau e começou a esquentar.
Eu já tinha vindo trabalhar, então Engraçadão faltou.
Ele apresentou uma certa melhora durante o dia, mas à noite quando jantou, devolveu o jantar 2 horas depois. E a febre persistindo. Cuidamos.
Falei com o Superpediatra q ele disse da já batida virose, receitou e disse p/ aguardarmos 72h pois o quadro poderia estabilizar passado esse tempo.

De qualquer forma, sexta foi minha vez de ficar com ele.
Não foi legal. Eu fiquei naquele já conhecido estado de alerta, dando água, remédio, monitorando temperatura, empurrando comida, líquido, soro caseiro, mas nem a febre, nem a vontade de comer cederam. Ele não comia. Só tomava líquidos e qualquer tentativa de comida era devolvida por menor que fosse.

Uma merda.
Dói na gente sabe? Eu prendi a respiração na sexta e só soltei no domingo. A sensação, é que eu cochilava, tal fiquei em estado de alerta. Nada de sexo, nada de drogas, muito menos rock 'n roll. Não tinha cabeça, vontade, tesão... não sentia nada, só reagia tentando solucionar.

Rezei com todo o meu fervor, apelei pra Maria, a mãe de Jesus, porque ela sim, pode resolver esses problemas de aflição de mãe.
Então, como ele já estava há 24h sem comer nada, só bebendo, no sábado levamos ao pronto-socorro. Ele mal conseguia andar naquelas pernas de palito, tadinho. E ver um filho tão ativo desmoronando assim, dá a pior das sensações na gente.

Para agravar, eu tinha combinado com Dona Engraçada, recém-operada das varizes que saísse do hospital e fosse lá pra casa, para evitar a escadaria de seu prédio. Olha a merda feita?! Ela contou com isso, se recusou a mudar os planos, a pagar um táxi, porque veja, eu e Engraçadão cuidando de 3 crianças sem ajuda alguma, tendo q administrar uma doença, fazer comida e entreter os menores; ainda teríamos q cuidar de uma recém-operada, q por mais enfaixada que tivesse, poderia se deslocar para qualquer outro cafofo que não fosse a minha casa!
Entrei em pânico. Xinguei os céus. Quase briguei com ela, porque né? Teimosia tem limite e a reciprocidade também. O quadro tinha se agravado, qual o problema de usarmos o plano B? Não era hora para umbiguismos.
Mas Engraçadão, sempre ele... o homem que Deus me pôs no meu caminho para ensinar as coisas do coração, relevou, respirou fundo e aceitou o inevitável. Os q entendem, têm responsabilidade pelos que não entendem.
Eu tive que lidar com minhas neuroses, meus medos, traumas de infância e engolí-los sem água, de uma talagada só!
Mamãe ficou e ainda ganhou canjinha.

Enquanto isso, eu furando Pacotinho no soro, no Pronto Baby. Diagnóstico: Suspeita de Dengue! Choramos e rezamos os dois mais uma vez. Eu e Pacotinho!
Daí que Engraçadão revezou comigo. Foi pro hospital e eu corri para almoçar e ficar com os menores. Felizmente no final do dia eles voltaram, porém teríamos de voltar lá no domingo para furá-lo novamente e monitorar as plaquetas. Enquanto isso, Pacotinho teria de tomar 2,6L de líquidos diários. Combinado então.
Cuidamos.

O prazo das 72h lembram? Estava chegando ao fim.
Acordei no domingo, com minha mãe chorando na beira da cama de Pacotinho. Porra! O q vc pensa num momento como esse? Vc não pensa, vc só pisca os olhinhos e o tempo para.
Ela estava, felizmente emocionada, porque na madrugada, ouvira Pacotinho tossir muito. Então foi até a cozinha, pegou um copo d'água e rezando, fluidificou a água, em seguida, deu para ele beber. Ele obedeceu.
Quando eu me levantei, Pacotinho estava na beira da própria cama sentado dizendo que se sentia bem. Disse que tinha ficado bom, por isso a avó chorava emocionada, pois creditara essa melhora ao efeito da oração.
Particularmente, creio no conjunto de ambos. O Superpediatra avisara, 72h. E o prazo final, Maria, mãe de Deus, a água fluidificada e a fé de todos, fez com que ele melhorasse. Já nessa mesma manhã ele voltou a comer. Não comeu um pão inteiro, claro, mas aceitou metade e se alimentou de frutas entre as principais refeições como costuma fazer.

Lá no pronto-socorro, notaram uma melhora em suas plaquetas e a última monitoração foi ontem. Alívio.
Não comemore ainda! O Sr. Cabeça de Bolinha teve febre nesse mesmo dia. Mas o caso dele é bem peculiar. Ele tem preguiça de escarrar, então aquilo que não sai, causa febre. Felizmente ele não teve no dia seguinte, porque conversamos seriamente com ele. Lembre-se, as férias estão chegando!
Cuidamos.

A mensagem subliminar disso tudo, eu estou estudando ainda...
Fé? Perdão? Me intriga o fato de estar tão fechada no meu círculo, que qualquer fator externo pode ser prontamente barrado, mesmo que esse fator seja minha própria mãe.
A ajuda também veio através dela. Que mesmo oscilando entre a avareza e a teimosia, teve um papel muito importante nesse final de semana. Ela também curou.
Cuidaremos.

quarta-feira, dezembro 14, 2011

Fechando Ciclos

Depois de um tempo, insistindo na mesma tecla, falando exaustivamente sobre o futuro, torcendo pelo sucesso e pela evolução, chega uma hora que a gente frustra.
Chega uma hora, que a gente não quer mais falar, não quer mais ver, não quer mais se dar. Chega um momento que a gente não quer nem ouvir a voz.

Não que não exista carinho, não que pessoas sejam descartáveis a ponto de vc jogar na lata do lixo, mas é que a repetição à exaustão cansa, quando o entendimento não chegou pro outro. E tudo nesse universo vive para o progresso, absolutamente tudo!

O universo não raro empurra seus filhos pra evolução à solavancos. A própria Terra quando cansa, causa uma verdadeira revolução e mata aos montes para que o novo chegue. Ali, espíritos afins, com um novo propósito habitarão dando oportunidade para um novo amanhecer, para uma nova consciência.

Eu tinha afinidade com tantas coisas que já não tenho hoje... eu mudo e me questiono todo o tempo e o mal das pessoas é não levarem a sério as coisas que eu digo, pelo fato de muitas vezes eu desculpar com a mesma velocidade com que mando tomar no cu. Principalmente se estou vendo além.

Mas é chegado o tempo de deixar a vida e o destino ensinar aos seus.
Eu não me afinizo com essa profissão e além do mais, sou uma individualidade, apesar de viver em grupo.
Eu sou só uma Engraçadinha.
Primeira pessoa do singular, não do plural!
 

segunda-feira, dezembro 12, 2011

MUNDO CORPORATIVO: FESTA DA EMPRESA #EU FUI


Festa de empresa é hoje a minha grande oportunidade de cair na gandaia. Como já estou no sétimo ano desde 2004 fui nas melhores e tive a oportunidade de acompanhar a evolução do que na minha concepção, já era evoluído, meio que rola uma contagem regressiva do meio do ano até o dia da festa. São infinitas promessas pro after-Party, ansiedade do que será depois...



Ali é a chance que eu tenho de encontrar gente q trabalhou comigo, os amores que se afastaram, os desafetos que danaram a engordar (bem-feito!), o pessoal que achava q eu tinha saído, mas que continuo firme e forte, sobretudo, onde eu bebo de graça e danço a valer.


Eu já aprendi as regrinhas básicas do mundo corporativo, então circulo livre, leve e solta quando tem festa na empresa e o que é melhor, de consciência tranquila:


a) Nada de roupa transparente, justa demais, delineando meu corpo sedutor feito para o amor, só para provar ao mundo que mesmo tendo 3 filhos e estando perto dos 40 anos, ainda dou um caldo;

b) Nada de dancinha vulgar, rebolando a xana na cara do colega ao lado, pois a festa é da empresa. Não se trata de baile funk, mesmo q o q esteja tocando, seja um funk; Segunda feira todo mundo se encontra e falar mal do outro é esporte praticado com prazer, ou seja...

c) Beijar na boca como se estivesse atrás do trio elétrico da micareta então, nem pensar! Pelo mesmo motivo da opção b.

d) Beber pra caralho e depois ficar abraçando diretor, presidente, gerente, enrolando a língua pedindo aumento então, é o fim da picada! Digno de tomar um passe para a liberdade em outra empresa. Claro q o cartão vermelho pode demorar uns meses pra vir, mas ele vem. Ninguém quer um bebum que perde a linha no seu casting de empregados.

Fora esses micos, existem outros muitos que devem ser observados, mas eu não sou Max Geringher pra ficar falando aqui de boas maneiras.


A festa esse ano, foi no Museu Histórico Nacional da Praça XV e apesar de ter visitado lá quando criança, não me lembrava de quase nada do espaço. Achei uma grande sacada do RH ter feito lá. Já houveram outras no Iate Clube do RJ, em Botafogo, que aliás, é meu local predileto; num clube no Alto Leblon, apertadinho mas divertido, no Clube Monte Líbano e outros locais que não me lembro, pois faltei algumas por estar de resguardo.


A empresa dá uma camisa de malha (é U_ó) pra gente customizar - e diga-se de passagem, camisa de malha fode o corpo até de quem está com tudo em cima. Eles dão sugestões de customização também, que é pro povo sem ideia não fazer uma super-cagada. Meio que dão ideias bacanas pro povo que tem mal gosto não passar vergonha. Ainda sim, tem gente que inventa de fazer vestido com a logo da empresa; tem gente que ajusta o negócio e vc quase vê a radiografia do pulmão do infeliz e tem gente que vai de basicão mesmo, porque default é chique.


Na festa tem de tudo né? Além da boa comida e da música (q esse ano não tivemos muito nem uma nem outra coisa), tem aqueles estereótipos que ainda são capazes de chocar.


O frisson da mulherada no banheiro, é das melhores partes eu considero. Porque apesar de passar 1 mês dizendo que vou vestida de default, eu compro sempre uns brilhinhos no Saara para enfeitar. Daí chega o dia e eu vejo as meninas cada uma com um modelo mais bacana e sou pega de contágio, customizando a minha com as talentosas de plantão. Ficou legal! Esse ano coloquei uma borboleta nas costas e a uma amiga fez um decote canoa, além de dois furinhos estratégicos onde por eles passamos uma fita de seda, que deu um toque plissado na blusa. Mor-ram de inveja de tamanha criatividade! Eu não sou essa pessoa corte-costura gente. Eu sou do fogão, já disse!


Uma Noite no Museu. Com patrocínio de Tutti
A banda que animou a festa foi a Libido. A mesma da festa de 2006, no entanto, em termos de animação, não repetiu o sucesso. Quer dizer, há controvérsias. Em 2006 eles botaram todo mundo pra dançar com direito a Oooooh! na hora do intervalo. Esse ano, inseriram forró e música sertaneja no repertório e eu francamente, pulei fora e fui dançar do outro lado com o DJ que estava caprichando em nomes como Duran Duran, The Smiths, The Cure, Man at Work, The Clash, etc. E se engana quem pensa que não dá pra dançar ouvindo isso. Dancei tanto, que fiquei com os pés doendo e com os cabelos molhados de tanto suori. Eeeca!


Vi gente que não dança nada, mas que bebe direitinho; gente que não larga o osso do trabalho e só fica falando disso na festa; gente inexperiente que acredita piamente que dá pra pegar mulher em festa de empresa. Agora, o desperdício-mor é ver gente não se divertindo, ou ainda, só olhando os outros se divertirem. Não posso dizer q talvez isso não seja uma forma de diversão. Não sou a pessoa pra saber. Mas acho um desperdício gente nova sentada, sem interagir ou só olhando.


Eu flanei o tempo todo, matei a saudade, dancei, bebi muita cerveja, mas botei tudo pra fora no suor; abracei antigos amigos, marquei almoço com outros q não via mais e ainda consegui fazer novas amizades; não tirei foto nenhuma, mas tiraram muita foto comigo. Prometi o after-Party o ano inteiro, mas na hora H, não quis ir a lugar nenhum, porque meu pé estava doendo e a saudade da Dona Miúda falou muito mais alto.


As propostas também não eram das melhores. Não sou obrigada a ir pra longe, gastar mais dinheiro q não tenho, só para estar junto de uma galera q via de regra, nem vai prum lugar que eu curta, se duvidar. No final, saí escrotamente de braço dado ca Lôra fingindo que ia cair na gandaia, quando nos prometíamos cada qual cair na própria cama.

Ainda sou zoada pelo meu óculos novo. Why?
Não me arrependi. Agora, só no próximo ano.
 

quinta-feira, dezembro 08, 2011

E NA TERAPIA...

Olha como as coisas são curiosas! Pelo menos por mim eu posso dizer... há duas semanas atrás, fui à terapia toda segura de mim, discursando no divã que estava tudo bem e que não tinha problema nenhum. Lá pelo meio da sessão, comecei a sentir o peso das minhas responsabilidades e isso foi dando um nó na garganta e eu desabei a chorar. Tadinha de mim...

Problema nenhum em chorar. Aliás, eu sou uma chorona convicta e isso só tem piorado com a idade.
Aqueles hormônios enlouquecidos do pós-parto desde que se instalaram por aqui, ainda não deram àdeus, de maneira que qualquer coisa com criança... sentimentos de amor de mãe pra filho, demonstração de carinho de um filho pra mãe, filhos que dão orgulho aos pais... tudo isso é motivo pros meus olhos marejarem e eu desabar. Não, em absoluto tenho problema com choro.

Eu tenho é problema com chatice, com marasmo, com mimimi, com reclamação e pouca ação.
Isso é um problema pra mim. E quando eu noto que estou me transformando exatamente nisso ao sentar a bunda no divã, aí é fatal que acabe em choro. Mas o pior! Eu quero fugir dali, eu me envergonho... porque aos 39 anos, eu já deveria ter largado de ser um monte de coisa que ainda sou. Aí vem o cagaço. Veio, alias!

Semana passada por conta da competição de natação do Sr. Cabeça de Bolinha, eu acabei matando a sessão. Cheguei muito tarde no trabalho, deveria compensar e não tinha como ficar mais tempo ausente. Mas essa semana, vontade não tinha. Nenhuma!
Porque andar, minha vida não andou. Eu sei que eu quero pouca coisa ainda para a quase metade de uma vida:

  • Quero ficar com a conta sempre no azul;
  • Quero viajar regularmente;
  • Quero voltar a estudar, embora esse quesito esteja me tirando o sossego;
  • Quero que a minha grana da justiça saia logo, se possível ontem;
  • Quero dar conta e me sentir menos esgotada;
  • Quero ganhar em dinheiro o que eu realmente valho.
Fora as outras coisas que eu não ouso dizer que quero.
A pergunta que não quer calar é: O QUANTO ESTOU FAZENDO PARA ATINGIR TAIS OBJETIVOS?

E é justamente nessa hora que deprime. E é exatamente por isso que hoje eu queria fugir da terapia.
Porque eu me propus a dar um passo a cada dia e para os quesitos que não listei aí em cima, Ok, eu tenho me movimentado, mas pro quesito faculdade por exemplo... hmmmm...

Eu tenho uma série de justificativas que explicam o porquê que eu não fiz faculdade até hoje:

a) Não tenho faculdade, mas tenho marido!
b) Não tenho faculdade, mas tenho um apartamento!
c) Não tenho faculdade, mas tenho um Scénic! Rá!

Mas todas elas acabam pesando num único responsável pelas escolhas. Eu mesma. E esse peso gera uma certa culpa, porque agora, casa, marido e filhos depois, o resultado é um orçamento pra lá de apertado. Beleza que Deus sempre atua, fazendo um milagrezinho ou outro, mas minha cabeça não para e eu dou uma pirada de vez em quando.

Daí que depois de burra velha, essa necessidade latente me vem. É crucial. É vital para eu seguir adiante. Mas o destino, sempre ele, ou chame do que quiser, não há de aliviar o pobre! No-no! Eu preciso de um financiamento para voltar a estudar. E claro, queria me formar rápido, portanto optei por prestar vestibular naquela Universidade que aparece toda hora na televisão oferecendo um tablet. Acontece que o curso que eu procurei, tecnológico, não será bancado pela financiadora e agora estou tendo de procurar outra instituição ou seja, terei de passar em outro vestibular até antes do fim do aanooooooo!
Vou recorrer aquela onde meu marido se formou. Mas a prova é no dia 12, próxima segunda feira, sabe lá Deus a que horas... ou seja, uma correria só...

Apesar de tudo isso, eu sou obrigada a não desistir. Preciso seguir em frente, não posso sentir pena de mim mesma e nem me descabelar por porcaria. Tenho que manter a cabeça no lugar, comer comida saudável, fazer exercícios físicos, andar magra, limpa, linda, maquiada, com os cabelos no lugar, pentelhos aparados; com filhos esbanjando saúde, todos com dentes brancos, educadíssimos, vencedores, educadíssimos (ah! isso eu já falei), daquele tipo que não corre nem grita, trajando roupas limpas; além de tudo, eu tenho de estar satisfeitíssima, porque o natal está chegando e por isso devo estar animada; meu peru de natal deve ser o mais gostoso e eu preciso estar realmente feliz e disposta para me reunir com toda a família; sem contar que ainda terá o ano novo, bendito Reveillon, onde todos deveremos estar trajando branco e a família se apresentará exultante, estourando champagne (sic!) à meia noite na pérgula da piscina do Copacabana Palace brindando o ano que virá e depois de tudo isso, serei aquela que deixará meu marido tão saciado de prazer, que ele só vai pensar em ter sexo daqui há 2 anos!

Agora acordem!
Quem é essa mulher?
Hoje eu realmente saí feliz da terapia...
 

terça-feira, dezembro 06, 2011

Troca de Faixa no Judo - A primeira vez de Pacotinho

Nesse post aqui, vocês puderam ver toda a habilidade do nosso magrelo ganhando uma luta no Judo e perdendo duas. 
Ano passado na escola não houve prova de troca de faixa. Todos foram classificados automaticamente e nós gravamos algumas brincadeiras dos professores com os alunos apresentando golpes e fazendo a turma rir.

Esse ano porém, pude experimentar a sensação de ter um filho competindo.
Pacotinho passaria da faixa cinza para a azul. Hoje em dia na verdade, essa transição não se dá de maneira progressiva. A comissão organizadora de Judo, ou sei lá q porra de nome se dá a esse treco, definiu que existirão faixas intermediárias antes de se mudar de cor.
Pacotinho ao invés de ir da cinza para a azul, irá para a cinza com ponta azul e só então ano que vem - leia-se final de 2012, se o mundo ainda estiver aí - ele irá para a azul efetivamente.

Vamos economizar palavras e vamos aos vídeos! 
Cada luta dura 2min. O primeiro adversário já era faixa azul e Pacotinho muito mais técnico do que no início do ano... bem, já o segundo apesar de ser da mesma faixa, era maior e mais parrudo e sussurrou momentos antes da luta no ouvidinho do Pacotinho assim:

MENINO SUSSURRANDO - Vc vai perder!
PACOTINHO - Rá, vamos ver quem vai perder!
UMA MENINA QUE PASSAVA DISSE - Boa sorte pra vc (p/ o oponente maior q Pacotinho). Bom azar pra vc (p/ Pacotinho)

Vejam vcs.
Notem meu cu trancado durante a filmagem. =B



E então rolou a consagração. Pena q Engraçadão não chegou a tempo de pegar anunciando os nomes. ¬¬.



Agora eu estou muda e umidificada! ='D

domingo, dezembro 04, 2011

E O POST MAIS VOTADO FOI...

E o campeão de votos, Twittagens, Facebookagens, anúncios no jornal e propagandas em geral, foi realmente da nossa vingança em reação a falta de educação dos nossos vizinhos!

Confira a primeira parte da história:

video

Admito, a ideia foi de Engraçadão. Daquele que todos dizem ser um homem sensato, cumpridor dos seus deveres, pai amado e esmerado.
Dentro daquele corpo de quinze, não se enganem, também mora um vilão de novela das 21h!

video

Arrematamos com a música A Galinha Magricela no looping, mas essa parte acabei não filmando! 
Vcs são mesmo uns barraqueiros!

sexta-feira, dezembro 02, 2011

ENQUETE: O QUE QUE VOCÊ QUER?

Fiz um post puta-lindo sobre a participação de Pacotinho na prova de troca de faixa do MV1, que foi um verdadeiro acontecimento e somados a caduquice do meu laptop, mais a conexão da GVT q não minha opinião, apesar de 10MB deveria ser mais rápida, até hoje fiquei muda aqui no blog.
Eu e minha mania de querer postar tudo em ordem cronológica.
Acontece que a minha vida apesar de ter uma rotina, não é lá muito cronológica.
Então esse hiatus da porra me acometeu. Claro, histórias não faltam:

1- Tem esse lance da troca de faixa do Pacotinho;

2- Teve a noite em que os vizinhos resolveram chegar depois das 02.30h com um casal de amigos e deram uma private party que me roubou o sono na madruga, com direito a vingança no dia seguinte (isso tudo em vídeo);

3- Teve o campeonato de natação do Sr. Cabeça de Bolinha também no MV1, onde ele mostrou ter um talento para cruzar a piscina sem respirar;

4- Fora que ontem depois de estar morta de cansada, teve a despedida de um amigo no Boteco du Carvalho e na volta, eu vim com um taxista carente que ficou me alugando uns 10min na porta de casa contando sobre a vida dele nos porões da ditadura.

Então, como não ando boa para fazer escolhas, prefiro que vcs, meus queridos 5's leitores votem em qual dos 4 assuntos vcs querem ler/ ver primeiro. Assim vai ficar mais fácil para eu botar a mão na massa, combinado?

Votem nos comentários e não sejam tímidos!

Bj na bunda!


Linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...